terça-feira, 13 de junho de 2017

Ultimate Human



Warren Ellis, Cary Nord (2008). Ultimate Human. Nova Iorque: Marvel Comics.

Dentro do universo Ultimate, que modifica os personagens clássicos da Marvel para estarem mais alinhados com o universo cinematográfico, Warren Ellis usa o seu habitual futurismo amoral para recriar a narrativa clássica de lutas entre Hulk e outros heróis. Bruce Banner contacta Tony Stark para este usar a sua nano-tecnologia para o curar da maldição do Hulk, neste universo específico não o resultado de uma exposição a raios gama mas de uma tentativa frustrada de recriar o soro que tornou Steve Rogers no Capitão América. O resultado é a criatura conhecida como Hulk, de uma biologia avançada capaz de se adaptar a todas as condições e ameaças. Os nano-robôs que permitem a Stark ser o Homem de Ferro prometem uma cura para a condição de Hulk, mas a intervenção de um vilão inglês desestabiliza tudo. Este vilão é uma óbvia caricatura do vilão clássico dos comics e literatura pulp: um agente secreto inglês, que se aproveita de um programa de pesquisas secreto para se dotar de super-poderes. Infelizmente, a ciência não produz os resultados esperados e o que resulta é uma mutação cerebral com corpo atrofiado, que busca nos nano-robôs de Stark e no sangue do Hulk a fórmula potencial para se tornar o ser super-poderoso que sonha ser. Divertido, com a linguagem visual cinematográfica que marcou a série Ultimate, e Ellis a misturar o estilo marvel com as suas peculiaridades como argumentista.

Sem comentários: